CAMPANHA DA FRATERNIDADE 2018

Tema: Fraternidade e superação da violência

Lema: “Vós sois todos irmãos” (cf. Mt 23,8)

cartaz - CF 2018 A Igreja no Brasil apresenta, através desta Campanha, uma realidade que pede atenção e mudança: a violência.

Grande número de brasileiros e brasileiras relatam a experiência da exposição a situações de violência. Os episódios de violência intensificaram-se e atingiram todas as regiões do país, dos grandes centros às pequenas comunidades.

A violência direta é que chama mais a atenção. É quando acontece o uso da força de uma pessoa contra a outra.

“A violência se caracteriza pelo uso intencional da força contra si mesmo, contra outra pessoa ou contra um grupo de pessoas” (OMS).

Para superar a violência é necessário compreender que esta é uma questão social que requer a atenção e a participação de toda a sociedade para ser enfrentada.

Se faz necessário lançar um olhar sobre a realidade da violência no Brasil, onde os índices apontam que já superam os números de países que se encontram em guerra ou que são vítimas frequentes de atentados terroristas. É urgente buscar a superação da violência que nos aflige.

 

Objetivo Geral

Construir a fraternidade, promovendo a cultura da paz, da reconciliação e da justiça, à luz da Palavra de Deus, como caminho de superação da violência.

 

Objetivos específicos

01 – Anunciar a Boa Nova da fraternidade e da paz, estimulando ações concretas que expressem a conversão e a reconciliação no espírito quaresmal.

02 – Analisar as múltiplas formas de violência, considerando suas causas e consequências na sociedade brasileira, especialmente as provocadas pelo tráfico de drogas;

03 – Identificar o alcance da violência nas realidades urbana e rural de nosso país, propondo caminhos de superação a partir do diálogo, da misericórdia e da justiça em sintonia com o Ensino Social da Igreja.

04 – Valorizar a família e a escola como espaços de convivência fraterna, de educação para a paz e de testemunho do amor e do perdão

05 – Identificar, acompanhar e reivindicar políticas públicas de superação da desigualdade social e da violência.

06 – Estimular as comunidades cristãs, pastorais, associações religiosas e movimentos eclesiais ao compromisso com ações que levem à superação da violência.

07 – Apoiar os centros de direitos humanos, comissões de justiça e paz, conselhos paritários de direitos e organizações da sociedade civil que trabalham para a superação da violência. Reflexões que podem iluminar o tema da CF 2018.

 

FRATERNIDADE E SUPERAÇÃO DA VIOLÊNCIA

Costuma-se dizer que o Brasil é um país abençoado. Ressaltam-se a diversidade e a fartura propiciadas pela natureza generosa. A amenidade do clima motiva a afirmação de que este é um território agraciado. Em uma nação descrita como ordeira e pacífica, a alegria e a festividade tornam esse povo ímpar no mundo.

Encontramo-nos em um período da história no qual nos sentimos, às vezes, impotentes na busca de soluções para os problemas propostos. Em tempos que a paz está ameaçada, é preciso observar criticamente a realidade com olhar de quem acredita na superação por meio da fraternidade. A superação da violência se torna, assim, um sinal do amor que Deus nutre pelo ser humano criado para ser irmão e não rival. Como cristãos, somos chamados a construir o Reino da verdade e da graça, da justiça, do amor e da paz, pois somos todos irmãos.

 

MÚLTIPLAS FORMAS DE VIOLÊNCIA

Ao longo da década de 1990, cresceu o acesso aos equipamentos e aos serviços privados de proteção. Isso se deve, entre outras razões, ao fracasso ou insuficiência dos meios empregados pelo Estado no enfrentamento e controle da criminalidade.

Essa proteção aumenta o isolamento. O “outro” converte-se em mais uma ameaça à sensação individual de segurança.  Apesar de possuir menos de 3% da população mundial, nosso país responde por quase 13% dos assassinatos no planeta.

A Campanha da Fraternidade nos convida a refletir o problema da violência, na busca de caminhos para uma sociedade mais justa e de paz.